5 anos depois de Paris: como as políticas climáticas dos países cumprem suas promessas e quem busca emissões líquidas zero

Foto: M. GUZMAS


Dolf Gielen | Fellow do Payne Institute, Colorado School of Mines. Trabalha para IRENA, uma agência intergovernamental que assessora seus membros sobre transição energética e clima.

Morgan Bazilian | Professor de Políticas Públicas e Diretor do Payne Institute, Colorado School of Mines

Sábado 12/12 marca o quinto aniversário do acordo climático de Paris – o compromisso de quase todos os países de tentar manter o aquecimento global bem abaixo de 2 graus Celsius.

É uma meta ambiciosa e o tempo está passando.

O planeta já aqueceu cerca de 1°C desde o início da era industrial. Isso pode não parecer muito, mas o primeiro grau está mudando o planeta de maneiras profundas, desde ondas de calor mais extremas que colocam a saúde humana e as plantações em risco, até a elevação do nível do mar.

Visões ousadas para desacelerar o aquecimento global surgiram em todo o mundo. Menos claro é como os países os enfrentarão.

Até agora, os planos individuais dos países sobre como reduzirão suas emissões de gases de Efeito Estufa não chegam perto de atingir as metas do Acordo de Paris. Mesmo que todos os países cumpram seus compromissos atuais, o mundo ainda estará a caminho de aquecer mais de 3°C neste século, de acordo com o último “Relatório de Lacunas de Emissões” do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, divulgado antes do aniversário. E muitos desses compromissos ainda não são respaldados por ações governamentais.

A desaceleração econômica da pandemia COVID-19 provavelmente reduziu as emissões globais de dióxido de carbono em cerca de 7% este ano, mas essa queda temporária terá muito pouco efeito, observa o Relatório – a menos que os países priorizem uma recuperação verde.

Este quinto aniversário do Acordo de Paris pretendia ser uma verificação do progresso, com os países aumentando seus compromissos. Mas, por causa da pandemia, a reunião e as negociações foram adiadas para Novembro de 2021. Uma Cúpula das Ambições Climáticas on-line menor foi planejada para 12 de Dezembro.

Apesar do atraso, alguns grandes objetivos foram anunciados. Em particular, mais países estão agora se comprometendo a alcançar emissões líquidas de carbono zero até meados do século. Os EUA também devem voltar a aderir ao Acordo no próximo ano, sob o comando do Presidente Eleito Joe Biden.

Mas até que ponto esses compromissos climáticos estão bem fundamentados nos orçamentos, políticas e regulamentações reais? Como especialistas em política energética, estivemos ambos envolvidos em negociações climáticas globais, análise de tecnologia e desenho de políticas nas últimas duas décadas, e observamos os compromissos nacionais em busca de sinais de progresso.

Metas ambiciosas, mas faltam ações

O objetivo formal do Acordo de Paris é ficar “bem abaixo” de 2 graus de aquecimento. Isso se baseia em negociações políticas e pesquisas científicas que modelam os efeitos cada vez mais prejudiciais que o aumento das temperaturas terá nas economias, agricultura e meio ambiente de hoje.

Quanto mais cedo a trajetória de emissões do mundo começar a cair, mais suave será a transição.

Os líderes da China, Japão e Coréia do Sul anunciaram metas nas últimas semanas para alcançar emissões líquidas de carbono zero até meados do século. Mas os planos detalhados de como chegarão lá estão em grande parte faltando.

O Presidente chinês Xi Jinping atraiu elogios globais quando anunciou em Setembro que as emissões de seu país – as mais altas do mundo – atingiriam o pico mais cedo do que o esperado, antes de 2030, e que a China se esforçaria para ser neutra em carbono até 2060. Como e se isso acontecerá dependem fortemente do próximo Plano Quinquenal do país, previsto para março. As prioridades da liderança incluem expandir a energia limpa, mas agora a China ainda é o maior usuário de carvão do mundo, e o carvão é responsável por três quintos de seu fornecimento de energia.

O Presidente sul-coreano, Moon Jae-in, ofereceu metas mais detalhadas em Novembro, quando ordenou que funcionários do governo desenvolvessem um roteiro para a transição para uma energia mais limpa e neutralidade de carbono até 2050. Ele disse que seu país iria investir US$ 7 bilhões em projetos verdes, lançar um carbono imposto para encorajar as empresas a reduzir suas emissões e parar de financiar usinas a carvão no exterior. Mas essas ideias também ficam aquém da neutralidade de carbono em uma economia que depende de indústrias intensivas em energia.

A União Europeia está mais longe. Ele estabeleceu um objetivo líquido zero algum tempo atrás, juntamente com cenários de como chegar lá. Neste verão, a UE colocou projetos favoráveis ao clima no centro de sua estratégia de recuperação da pandemia. Pouco antes da cúpula, os líderes da UE também concordaram em aumentar a meta de curto prazo do sindicato de reduzir as emissões em 55% até 2030, ante 40%. Espera-se agora que os Estados-membros da UE desenvolvam estratégias de longo prazo para 2050 e revisem seus planos nacionais de energia e clima até 2030.

O Reino Unido anunciou uma nova meta de redução de emissões de 68% para 2030. Para cumprir essa meta, o Reino Unido deverá dobrar seus esforços em comparação com as últimas três décadas.

A grande imagem

No geral, as atuais “Contribuições Determinadas Nacionalmente” – os planos que os países submetem à ONU explicando como irão cumprir o Acordo de Paris – ficam aquém do esperado. É necessária uma aceleração de cinco vezes nas reduções de emissões para chegar perto.

Poucos dias antes da Cúpula das Ambições, apenas 13 países apresentaram novas metas, e sete anunciaram que não atualizariam suas metas ou reapresentariam metas antigas. No entanto, quase metade dos países de alta emissão indicaram que aumentarão suas ambições de mitigação até o final do próximo ano.

Vinte e um estados e regiões estabeleceram metas de longo prazo para reduzir suas emissões em 75% -90%, mas não está claro como isso será alcançado, concluiu uma análise recente. A maioria das promessas feitas pelas cidades são igualmente aspiracionais.

Aumentando rapidamente

Mesmo que as tecnologias limpas estabelecidas, como a energia renovável, estejam no centro da transição, o ritmo de mudança necessário para cumprir as metas de Paris continua assustador. As questões socioeconômicas também terão de ser colocadas em primeiro plano.

Soluções líquidas zero são tecnicamente concebíveis para uma variedade de indústrias de uso intensivo de energia, agricultura e métodos de transporte, mas a velocidade e a escala em que eles teriam que aumentar para cumprir o prazo de 2050 é formidável.

Nossa análise descobriu que a implantação de energia renovável precisaria ser acelerada de duas a três vezes. O uso global de energia renovável precisaria passar de cerca de 20% da energia hoje para 65% até 2050, e de 28% para 85% do setor de energia. O uso de veículos elétricos teria que disparar, de menos de 10 milhões de VEs de hoje para mais de 1,5 bilhão em 2050.

Preenchendo as lacunas

Para financiar essas transformações, os investidores precisam ter certeza de que o mundo está comprometido com um futuro mais limpo. O risco percebido aumentará os custos, e ações governamentais incertas ou atrasadas são grandes riscos. Organizações financeiras internacionais, juntamente com bancos verdes e bancos de desenvolvimento, têm um papel importante a desempenhar no incentivo ao investimento privado.

Mudar de um foco em objetivos de alto nível para caminhos detalhados ajudará.

As negociações sobre o clima global podem continuar a ajudar, concentrando-se nas especificidades dos compromissos nacionais, garantindo que sejam detalhados, bem elaborados e orçados, e atualizados regularmente.

A comunidade internacional também precisará apoiar os países que precisam de assistência. A mudança climática não é a principal prioridade para a maioria das jurisdições – embora seja uma crise existencial para algumas, incluindo alguns pequenos Estados insulares. Isso precisa ser reconhecido e integrado às metas e ao planejamento.

Este artigo foi atualizado com o acordo do Conselho da UE em 11 de Dezembro para aumentar suas metas de curto prazo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui